Ataques piratas pioram no Golfo da Guiné - IMB

De Joseph R Fonseca10 abril 2018
Foto cedida pela ICC
Foto cedida pela ICC

Uma onda de ataques armados contra navios ao redor da África Ocidental está elevando os níveis globais de pirataria e assaltos à mão armada no mar, alerta a Agência Marítima Internacional (IMB) da Câmara de Comércio Internacional.

O Centro de Relatórios de Pirataria do IMB registrou 66 incidentes no primeiro trimestre de 2018, contra 43 no mesmo período de 2017 e 37 no primeiro trimestre de 2016.
Em todo o mundo nos primeiros três meses de 2018, 100 tripulantes foram sequestrados e 14 seqüestrados de seus navios. Um total de 39 embarcações foram embarcadas, 11 demitidas e quatro embarcações sequestradas. O IMB recebeu mais 12 relatórios de tentativas de ataque.
O Golfo da Guiné é responsável por 29 incidentes em 2018 no primeiro trimestre, mais de 40% do total mundial.
Dos 114 marinheiros capturados em todo o mundo, todos, exceto um, estavam nessa região. Todos os quatro navios seqüestrados foram no Golfo da Guiné, onde não foram registrados seqüestros em 2017.
Dois navios-tanque de produtos foram sequestrados do ancoradouro de Cotonou em meados de janeiro e início de fevereiro, levando a IMB PRC a emitir uma advertência aos navios. No final de março, dois navios de pesca foram sequestrados 30nm da Nigéria e 27nm do Gana.
“O seqüestro de navios-tanque de produtos de ancoradouros no Golfo da Guiné é motivo de preocupação. Nestes casos, a intenção dos perpetradores é roubar a carga de petróleo e sequestrar a tripulação. A pronta detecção e resposta a qualquer movimento não autorizado de uma embarcação ancorada poderia ajudar na resposta efetiva a tais ataques ”, comentou um porta-voz da IMB.

Hotspot de pirataria na Nigéria
Somente a Nigéria registrou 22 incidentes. Dos onze navios disparados em todo o mundo, oito estavam na Nigéria - incluindo um petroleiro VLCC de porte bruto de 300.000 toneladas métricas, com mais de 40nm de latão.
“Os ataques no Golfo da Guiné são contra todos os navios. As tripulações foram tomadas como reféns e sequestradas em navios de pesca e de carga refrigerada, bem como em navios-tanque de produtos. Em alguns casos, os ataques foram evitados pela detecção precoce de um esquife que se aproximava, pela ação evasiva do navio e pelo uso efetivo das cidadelas. O IMB está trabalhando com autoridades nacionais e regionais no Golfo da Guiné para apoiar navios e coordenar ações de combate à pirataria. As autoridades de Benin, Nigéria e Togo enviaram barcos em resposta a vários incidentes ”, disse um porta-voz do IMB.

Risco da Somália continua
Um incidente foi relatado na Somália, onde um navio-tanque de produtos foi disparado e perseguido por dois barcos em torno de 160nm SE de Hobyo. No final de março, um petroleiro de 160.000 DWT relatou ter sido alvo de disparos no Golfo de Aden, enquanto transitava dentro do Corredor de Trânsito de Segurança Marítima.
A distância da terra, o avistamento de escadas e disparos em navios continuam a ilustrar que os piratas somalis mantêm a capacidade e a intenção de atacar navios mercantes no Oceano Índico.
Indonésia
A Indonésia registrou nove ataques de baixo nível contra embarcações ancoradas. Cinco graneleiros reportaram ataques reais ou tentativas de ataque no ancoradouro de Muara Berau, em Samarinda, enquanto aguardavam o carregamento de cargas de carvão.
Categorias: Acidentes, Acidentes, Atualização do governo, Embarcações, guarda Costeira, Legal, Marinha, Notícia, Pessoas nas Notícias, Segurança marítima, Segurança marítima