Filipinas estuda acordo de exploração com a China no mar de S. China

Postado por Joseph Keefe9 abril 2018
© Regormark / Adobe Stock
© Regormark / Adobe Stock

As Filipinas querem selar um pacto com a China dentro de alguns meses para explorar em conjunto o petróleo e o gás em uma parte da movimentada hidrovia do Mar da China Meridional reivindicada por ambos os países, disse uma autoridade filipina na segunda-feira.
Em fevereiro, os dois países concordaram em criar um painel especial para descobrir como explorar conjuntamente petróleo e gás offshore nas áreas reivindicadas por ambos os lados, sem precisar abordar a questão delicada da soberania.
"Estamos tentando ver se conseguiremos um acordo, espero que dentro dos próximos meses", disse José Santiago Santa Romana, embaixador filipino na República Popular da China, em entrevista coletiva na província de Hainan, na ilha chinesa.
Há vontade política de conseguir um acordo, mas ambas as partes podem levar o tempo necessário para garantir que as metas sejam cumpridas, disse Santa Romana no evento, transmitido ao vivo pelo Facebook, acrescentando que as Filipinas querem aumentar sua segurança energética.
Pequim reivindica a maior parte do Mar da China Meridional, uma importante rota comercial com áreas que se acredita conter grandes quantidades de petróleo e gás natural. Partes dele estão sujeitas a reivindicações concorrentes de Brunei, Malásia, Taiwan e Vietnã, além das Filipinas.
O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, viajou na segunda-feira à China para o Fórum de Boao pela Ásia, e se encontrará com o presidente chinês, Xi Jinping, na terça-feira.
No mês passado, as Filipinas identificaram duas áreas no Mar do Sul da China, onde a exploração conjunta de petróleo e gás pode ser realizada com a China.
Mas quaisquer acordos em potencial entre Manila e Pequim devem ser acordados com uma empresa e não com o governo chinês, disse o porta-voz da presidência.
A ideia de desenvolvimento conjunto data de 1986, mas as disputas e a questão da soberania impediram que se materializasse.
Em 2016, a Corte Permanente de Arbitragem de Haia determinou que partes das áreas contestadas faziam parte da Zona Econômica Exclusiva das Filipinas, com 200 milhas náuticas, e Manila tinha direitos soberanos sobre os recursos de lá. A China se recusa a reconhecer a decisão.

Reportagem de Neil Jerome Morales

Categorias: Atualização do governo, Contratos, Energia Offshore, Legal, Notícia, Segurança marítima, Segurança marítima