No Golfo dos EUA, Robôs e Drones Assumem Trabalho de Petróleo Offshore Perigoso

De Liz Hampton3 maio 2018
File Image: Uma foto tirada durante uma pesquisa offshore DNV GL Drone (CREDIT: DNV GL)
File Image: Uma foto tirada durante uma pesquisa offshore DNV GL Drone (CREDIT: DNV GL)

Na gigantesca plataforma de petróleo Thunder Horse da BP no Golfo do México, um robô do tamanho de um cachorro chamado Maggie usa trilhos magnéticos para se arrastar ao longo de canos que conectam a instalação gigante de petróleo ao fundo do mar.
Antes da MaggHD, apelidada de "Maggie" pela BP, o perigoso trabalho de inspeção era reservado para técnicos especializados altamente remunerados que faziam seus trabalhos enquanto faziam rapel ao longo da plataforma.
A indústria de energia se voltou para robôs e drones para cortar custos e melhorar a segurança em alguns dos ambientes de trabalho mais difíceis do mundo. Os drones inspecionam o equipamento nas plataformas flutuantes. Os robôs rastejam debaixo d'água para testar equipamentos submarinos em busca de fissuras microscópicas de metal. Mini-submarinos operados remotamente podem substituir os mergulhadores.
Grandes produtores de petróleo, como a BP e a Statoil, estão correndo para criar os campos petrolíferos do futuro, onde os dispositivos inteligentes substituem os trabalhadores. Eles têm o potencial de cortar custos, salvar vidas e reduzir o escopo de erro humano. "Isso vai mudar a forma como o petróleo e o gás fazem negócios", disse Carri Lockhart, vice-presidente sênior de offshore da Statoil USA, em entrevista no início deste ano, referindo-se ao esforço em direção a equipamentos e instalações autônomas.
Rastreadores magnéticos
A Maggie pertence a um grupo de dispositivos conhecidos como rastreadores magnéticos, que podem se mover por plataformas, plataformas e tubulações acima e abaixo da água usando dispositivos de teste ultrassônico e câmeras de alta definição. Eles podem custar US $ 60.000 cada. A BP, a maior operadora do Golfo do México, pilotou a Maggie em sua plataforma Thunder Horse no ano passado e espera lançar rastreadores semelhantes em todas as suas plataformas no Golfo do México nos próximos anos.
A explosão da sonda Deepwater Horizon da BP em 2010 no Golfo do México, que matou 11 pessoas e foi a maior liberação acidental de petróleo em águas marinhas dos EUA, ressaltou os perigos do trabalho no mar. A BP quer que os robôs "removam os indivíduos de ambientes inseguros. As eficiências que obtemos ao coletar dados dessa maneira são significativas. O fator de segurança é óbvio", disse Dave Truch, diretor de tecnologia da Digital Innovation Organization, da BP.
Drones e rastreadores podem fazer inspeções em cerca de metade do tempo dos técnicos em acesso por corda, enquanto colocam menos trabalhadores em perigo, disseram executivos da BP nesta semana. Outros dispositivos podem reduzir a necessidade de desligamentos, que às vezes são necessários para a inspeção segura de equipamentos por humanos. Os drones podem realizar inspeções de equipamentos de queima, que queimam gases perigosos em instalações de produção de petróleo e gás, sem exigir um desligamento.
Essas paralisações podem durar de cinco a 20 dias, disse Iain Gault, gerente de desenvolvimento de negócios da Stork, uma unidade de manutenção de energia da Fluor Corp. "Ainda não podemos fazer o trabalho físico com um drone ou rastreador, mas a eficiência é ganho apenas por colocar as pessoas no campo quando necessário ", disse Gault, que começou sua carreira em petróleo e gás como técnico de acesso por corda, rapel nas laterais de estruturas de petróleo no Mar do Norte, quase 30 anos atrás.
A tecnologia pode ser "difícil de vender", por causa do alto custo inicial, ele acrescentou, estimando que as locadoras de esteiras executem entre US $ 600 e US $ 1 mil por dia, excluindo o custo de um técnico operacional. Contratar técnicos para drones é ainda mais caro porque eles exigem licenças de piloto, acrescentou. As empresas que fornecem os especialistas em inspeção para equipamentos offshore dizem que não estão preocupadas em perder robôs e gadgets.
"Não é uma ameaça aos empregos, mas eles mudam. Precisamos nos adaptar", disse Ryan King, representante técnico de vendas da Oceaneering International, fornecedora de serviços e equipamentos offshore. "Estamos em um ponto onde o big data está ajudando a otimizar os programas de inspeção, por isso não precisamos mandar caras para o campo", disse King.
Drones e rastreadores podem ser um trampolim. A produtora de petróleo norueguesa Statoil está de olho em um conceito de produção não tripulada operado remotamente. A Noble Drilling e a General Electric Co lançaram este ano uma parceria para produzir uma embarcação de perfuração totalmente digitalizada, o que as empresas disseram que abre caminho para uma frota de perfuração autônoma.
"Temos a tecnologia. É apenas uma questão de executar esses projetos. Ainda não estamos em plataformas não tripuladas para águas profundas, mas está chegando", disse Lockhart, da Statoil.
Categorias: Energia, Energia Offshore, No mar, Segurança marítima, Sociedades de classificação, Sociedades de classificação, Tecnologia