IMO para proibir embarcações sem esfregões de transportar combustível de alto teor de enxofre

Por Libby George22 fevereiro 2018

A Organização Marítima Internacional pretende proibir os navios que não possuem equipamentos para retirar o enxofre do transporte de combustível que tenha um teor de enxofre acima de novos limites em 2020, disse um funcionário da OMI na quinta-feira.

A proibição, que ainda tem que passar por duas etapas de aprovação formal, foi apresentada nas reuniões de conformidade da OMI no início deste mês. Isso tornaria os novos limites de enxofre nos combustíveis de transporte significativamente mais fáceis, cortando a quebra de regras esperada.
"Não houve essa dissidência, e isso implica que haverá apoio geral", disse Edmund Hughes, chefe de poluição atmosférica e eficiência energética da OMI, em um painel da International Petroleum Week, em Londres.
"Não há motivos para ter óleo combustível não conforme no navio", se você não possui equipamentos para remover o enxofre, disse Hughes. Ele acrescentou que a regra era importante para garantir um "campo de jogo nivelado globalmente".
Os comitês da OMI votarão para aprovar formalmente a regra, que entrará em vigor em 1º de março de 2020, nas reuniões de abril e outubro, disse Hughes.
As regras da IMO que chegam reduzirão a quantidade de emissões de enxofre que são enviadas em todo o mundo podem queimar de 3,5 para 0,5% até 2020.
A mudança é a mais importante para os setores mundiais de transporte e refinação em décadas, e a maioria está dividida em questões que vão desde o qual os navios de combustíveis irão usar, para quantos navios tentarão quebrar as regras.
Os navios que instalam "depuradores" para remover o enxofre do combustível à medida que são queimados podem continuar a usar o fuelóleo com alto teor de enxofre, mas a nova regulamentação da OMI tornaria ilegal para os navios sem que eles tenham os maiores combustíveis de enxofre nos tanques que fornecem combustível para os motores.
Isso tornaria muito mais fácil para qualquer país impor as novas regras, já que não teriam que provar que o navio tinha de fato queimado o combustível em seu motor.
Quantos navios quebram as regras tem implicações significativas para a demanda, e estimativas da indústria de quanto da frota mundial vai tentar quebrar as regras variou de menos de 10 por cento até 40 por cento.
(Reportagem de Libby George, edição de David Evans)
Categorias: Atualização do governo, Combustíveis e Lubrificantes, De Meio Ambiente, Energia, Legal, Logística, Notícia, Portos, Sociedades de classificação