Indonésia Nabs Elusive Criminal Fishing Boat

Agustinus Beo Da Costa9 abril 2018
© Muslim Bin Ahmad / MarineTraffic.com
© Muslim Bin Ahmad / MarineTraffic.com

A Indonésia, a pedido da Interpol, apreendeu um barco de pesca que transportava 600 redes de emalhar ilegais que podem se estender por até 30 quilômetros depois de evitar a captura em vários países, informou o Ministério da Pesca.

A embarcação, a STS-50, tinha como alvo a toothfish antártica, disse o ministério, uma espécie de bacalhau que desempenha um papel importante no ecossistema do Oceano Austral.

A rede de emalhar, que usa paredes de redes finamente entrelaçadas, foi banida em águas antárticas desde 2006 e é descrita pela Austrália como um grande risco para “quase toda a vida marinha”.

Oficialmente apátrida, a STS-50 escapou das autoridades ao voar oito bandeiras diferentes em diferentes épocas, incluindo as de Serra Leoa, Togo, Camboja, Coréia do Sul, Japão, Micronésia e Namíbia, informou o ministério em um comunicado no domingo.

A Interpol entrou em contato com a Indonésia na semana passada com um pedido para investigar a embarcação, disse a ministra das Pescas, Susi Pudjiastuti, no comunicado.

"O navio da Marinha Simeuleu realizou uma operação de 'parar, investigar e deter' na sexta-feira e apreendeu com sucesso o navio", disse Pudjiastuti.

O navio já havia sido detido pela China, mas havia escapado e depois foi detido no porto de Maputo, em Moçambique, antes de fugir novamente, disse Pudjiastuti.

Antes de ser capturado na ilha indonésia de Weh, na província de Aceh, no noroeste do país, o navio também operou sob vários outros nomes, incluindo Sea Breeze, Andrey Dolgov, DST Nº 2 e Aida, segundo o comunicado.

Os dados de envio na Thomson Reuters Eikon mostram que o navio de 54 metros e 452 toneladas foi construído em 1985.

No momento de sua captura, o STS-50 tinha 20 tripulações indonésias e russas, disse o comunicado.

Não ficou imediatamente claro o que aconteceria com a tripulação.

O vice-chefe de Estado-Maior da Marinha, Achmad Taufiqoerrochman, afirmou no comunicado que a tripulação indonésia não possuía documentos de viagem e estava no mar há muito tempo sem pagamento, indicando que eles podem ter sido vítimas de tráfico.

A pesca da escaravelho antárctico é regida pela Convenção para a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárcticos, que proíbe a pesca com redes de emalhe e impõe regras estritas sobre as capturas no Oceano Austral.

"Queremos que isso seja um exemplo para o mundo não comprometer a pesca ilegal", disse Pudjiastuti.

A Indonésia destruiu centenas de barcos de pesca estrangeiros ilegais desde 2014, em um esforço para proteger os estoques pesqueiros domésticos e os pescadores.

Em 2016, a Indonésia apoiou a Interpol na captura de um navio gigante de bandeira chinesa que evitou a marinha argentina e fugiu para águas internacionais depois de suspeita de pesca ilegal.

No mesmo ano, a Indonésia explodiu um gigantesco navio ilegal de pesca de marlonga que operava sob 12 nomes diferentes e bandeiras de pelo menos oito países diferentes.


(Escrita por Fergus Jensen; Edição por Nick Macfie)

Categorias: Atualização do governo, De Meio Ambiente, Legal, Marinha, Notícia, Segurança marítima