Itália vai entregar navio de resgate de migrantes da caridade alemã

Steve Scherer e Angelo Amante11 julho 2018

A Itália parece ter cedido na quinta-feira após recusar-se a aceitar 226 imigrantes a bordo de um navio de resgate alemão, dizendo que no final do dia eles iriam pegá-los, mas confiscariam a embarcação.

O ministro do Interior antiimigrante, Matteo Salvini, disse inicialmente que o navio de bandeira holandesa Lifeline deveria levar as pessoas que ele arrancou do Mediterrâneo para a Holanda e não para a Itália.

Mas o ministro dos Transportes, Danilo Toninelli, que supervisiona a guarda costeira, disse mais tarde que não era seguro para o navio de 32 metros viajar tão longe com tantas pessoas a bordo.

"Vamos assumir a generosidade humanitária e a responsabilidade de salvar essas pessoas e levá-las para os navios da guarda costeira italiana", disse Toninelli em um vídeo postado no Facebook.

No início deste mês, Salvini prometeu deixar os navios de caridade trazer migrantes resgatados na Itália, deixando o Aquarius, de bandeira de Gibraltar, abandonado no mar por dias com mais de 600 migrantes, até que a Espanha lhes oferecesse abrigo seguro.

O governo holandês negou a responsabilidade pelo navio, algo que Toninelli disse que a Itália investigaria. A guarda costeira italiana escolta a Lifeline "para um porto italiano para conduzir a sonda" e confiscará o navio, disse ele.

Também na quinta-feira, a instituição de caridade alemã Sea Eye, que opera outro navio de bandeira holandesa, o Seefuchs, disse em um comunicado que está encerrando sua missão de resgate após o governo holandês ter dito que não era mais responsável pela embarcação.

Barcos de borracha
A tripulação do navio operado pela Mission Lifeline, uma instituição de caridade sediada em Dresden, na Alemanha, havia visto migrantes em dois botes superlotados em águas internacionais na quinta-feira.

A Itália informou que a guarda costeira da Líbia estava vindo para pegá-los, mas decidiu resgatar os migrantes porque eles não estariam seguros se levados de volta à Líbia, disse um porta-voz da entidade.

"Você não escutou intencionalmente as autoridades italianas ou líbias. Bom. Então leve essa carga de seres humanos para a Holanda", disse Salvini, líder do partido da Liga antiimigrantes, em um vídeo no Facebook.

Diretrizes marítimas internacionais dizem que as pessoas resgatadas no mar devem ser levadas para o "local de segurança" mais próximo.

As Nações Unidas e outras agências humanitárias não consideram a Líbia "um lugar de segurança" porque dizem que os migrantes estão sujeitos a detenção indefinida, abuso físico, trabalho forçado e extorsão.

O porta-voz da Lifeline, Axel Steier, disse que os migrantes do barco incluíam 14 mulheres e quatro crianças pequenas. "Não queríamos esperar pela guarda costeira da Líbia porque as pessoas estavam em perigo", disse Steier à Reuters.

Esperar pelos líbios teria constituído uma "retirada ilegal" de refugiados para um país onde eles não são seguros, acrescentou.

O novo governo populista da Itália impulsionou a migração para o topo da agenda da União Europeia. A Itália viu mais de 640.000 migrantes desembarcarem em suas costas desde 2014 e atualmente abriga 170.000.

Uma minissérea de emergência foi convocada para Bruxelas no domingo para discutir a imigração antes de uma cúpula completa da UE, em 28 países, nos dias 28 e 29 de junho.

No último fim de semana, Toninelli pediu à Holanda que se lembrasse da Lifeline and Seefuchs.

"Eles fornecem um incentivo e incentivo para a partida dos barcos da morte", disse Toninelli na quinta-feira.


(Reportagem adicional de Anthony Deutsch; Edição de Andrew Roche)

Categorias: Atualização do governo, Atualização do governo, Embarcações, guarda Costeira, Legal, Segurança marítima