PDVSA de funcionamento de soldado e saída de óleo AWOL

Por Alexandra Ulmer e Marianna Parraga26 dezembro 2018
© natanaelginting / Adobe Stock
© natanaelginting / Adobe Stock

No último dia 6 de julho, o major-general Manuel Quevedo se juntou a sua esposa, um padre católico e um grupo de trabalhadores do petróleo em oração em uma sala de conferências na sede da Petroleos de Venezuela SA, ou PDVSA.

O oficial militar de carreira, que durante o ano passado foi chefe da conturbada empresa de petróleo estatal, não estava em massa comum. O encontro, ao contrário, foi uma cerimônia na qual ele e outros altos funcionários do Ministério do Petróleo pediram a Deus para aumentar a produção de petróleo.

"Este lugar de paz e espiritualidade", dizia um comunicado do Ministério do Petróleo, que depois foi retirado de seu site, "era o local de oração dos trabalhadores pela recuperação da produção da indústria".

O presidente Nicolas Maduro ficou à frente em novembro de 2017, quando nomeou um general da Guarda Nacional sem experiência em petróleo para liderar a PDVSA. As ações de Quevedo, desde então, levantaram ainda mais dúvidas de que ele e os outros militares que comandam a empresa têm um plano viável para resgatá-la do endividamento esmagador, um êxodo de trabalhadores e uma produção que está em declínio há quase sete décadas.

Além de implorar o paraíso, Quevedo nos últimos meses promulgou uma série de medidas controversas que especialistas da indústria petrolífera, funcionários e empreiteiros da PDVSA, e até mesmo cidadãos comuns dizem estar levando a empresa, antes lucrativa e respeitada, à ruína.
Soldados com fuzis AK-47, sob ordens para evitar fraudes nos manifestos, agora embarcam em navios-tanque para acompanhar os inspetores de carga, sacudindo os capitães e tripulações estrangeiros.

Trabalhadores que cometem erros ao operar equipamentos PDVSA cada vez mais dilapidados agora enfrentam o risco de serem presos e acusados de sabotagem ou corrupção. Chefes militares, que trabalham à margem do setor privado, estão passando por outros empreiteiros em busca de serviços lucrativos e negócios de fornecimento com a PDVSA.

Em uma reversão pouco notada das duas décadas do governo socialista para nacionalizar a indústria, a falta de expertise entre os gerentes militares está levando a PDVSA a contratar pessoas de fora para manter até mesmo operações básicas, como perfuração e bombeamento de petróleo. Para o desalento de muitos familiarizados com a indústria petrolífera da Venezuela, alguns dos contratos vão para firmas pequenas e pouco conhecidas, sem experiência no setor.

Combinados, veteranos da indústria dizem que os passos deixam a empresa mais importante da Venezuela - que responde por mais de 90% das receitas de exportação - com menos recursos para reconstruir os cofres do país, pagar seus muitos credores e recuperar a auto-suficiência como produtor de petróleo.

"O que estamos testemunhando é uma política de destruição da indústria do petróleo", disse Jose Bodas, secretário-geral da Federação dos Trabalhadores do Petróleo, um sindicato trabalhista nacional. "Os oficiais militares não escutam os trabalhadores. Eles querem dar ordens, mas não entendem esse trabalho complicado."

Maduro defende os gerentes militares, argumentando que eles estão mais em sintonia com sua visão de mundo socialista do que os profissionais da indústria capitalista que exploram o país para obter lucro pessoal. "Eu quero uma PDVSA socialista", disse o presidente a parlamentares aliados no início deste ano. "Uma PDVSA ética, soberana e produtiva. Devemos quebrar esse modelo da companhia de petróleo rentista."

Quevedo, que detém o título de ministro do Petróleo, bem como presidente da PDVSA, não respondeu aos pedidos de comentários para esta reportagem. Nem o Ministério da Informação da Venezuela, responsável pelas comunicações para o governo e altos funcionários, nem pela assessoria de imprensa da PDVSA retornaram telefonemas ou e-mails da Reuters.

A PDVSA e o Ministério do Petróleo divulgam escassas informações sobre Quevedo, que tem 51 anos, de acordo com seu registro na seguridade social. Ele raramente faz discursos públicos. Mas em um evento do setor em Viena, em junho passado, Quevedo disse a jornalistas que a PDVSA está ciente de seus desafios e espera em poucos meses compensar a queda na produção.

"Esperamos que até o final do ano recuperemos a produção perdida", disse ele em uma previsão que foi perdida. "Temos a capacidade e convocamos a força dos trabalhadores".

Quase 20 anos após o falecido Hugo Chávez lançar sua "revolução bolivariana", grande parte da Venezuela está em farrapos. Alimentos e remédios são escassos, a hiperinflação destruiu o poder de compra de cidadãos cada vez mais desesperados e cerca de três milhões de venezuelanos fugiram do país em busca de uma vida melhor.

Na PDVSA, os administradores há muito procuravam manter a empresa funcionando, mesmo que o colapso econômico e a queda dos preços do petróleo significassem que eles tinham menos recursos para investir em exploração, crescimento e manutenção básica. Apesar de seus esforços, a decadência levou à diminuição da produção, à deterioração das instalações e à perda progressiva de trabalhadores qualificados.

Agora, dizem os críticos, as autoridades militares no topo da PDVSA deixaram de lado qualquer pretensão de administrá-la como um negócio adequado, fazendo pouco para conter a queda na produção ou melhorar os problemas financeiros, operacionais e de pessoal da empresa.

UMA PURGAÇÃO
Não importa a disfunção, a PDVSA continua sendo uma fonte rara e crucial de divisas no enfraquecido país andino. Para Maduro, que se tornou presidente depois da morte de Chávez, em 2013, entregar a empresa às forças armadas é visto por muitos como um movimento calculado para comprar lealdade dos policiais.

"Ninguém será capaz de remover os militares da PDVSA agora", disse Rafael Ramirez, ex-ministro do petróleo. Ramirez dirigiu a empresa por uma década sob o comando de Chávez antes de entrar em conflito com Maduro, que o acusa e muitos outros ex-executivos de corrupção. "PDVSA é uma barraca."
A PDVSA está lutando para cumprir contratos de fornecimento com compradores, incluindo os principais credores da China e da Rússia, que já avançaram bilhões de dólares em pagamentos em troca de petróleo. No mês passado, o chefe da Rosneft, a companhia petrolífera russa, voou para a Venezuela e reclamou com Maduro sobre os atrasos, informou a Reuters.

A demanda continua saudável para o petróleo venezuelano. Os problemas operacionais de Quevedo, no entanto, fizeram a produção cair 20%, para 1,46 milhão de barris por dia, de acordo com os dados mais recentes divulgados por Caracas à OPEP, o cartel do petróleo do qual é membro.

Quevedo em janeiro assumirá a presidência rotativa da OPEP por um ano. Os problemas financeiros da PDVSA provavelmente exigirão muito de sua atenção.

O valor bruto das exportações de petróleo da PDVSA deverá cair para US $ 20,9 bilhões este ano, ante US $ 24,9 bilhões no ano passado, segundo um cálculo fornecido à Reuters pelo Centro Internacional de Energia da IESA, uma escola de negócios venezuelana. As exportações de uma década atrás eram quatro vezes maiores, chegando a US $ 89 bilhões, de acordo com as contas da PDVSA de 2008.

A PDVSA não publicou um relatório de 2017 e não divulgou resultados financeiros em 2018.

Pouco foi divulgado publicamente pela PDVSA ou pelo governo de Maduro sobre a transformação militar em suas fileiras.

Um exame da Reuters baseado em documentos confidenciais da PDVSA - bem como entrevistas com dezenas de funcionários atuais e antigos, embarcadores, traders, executivos estrangeiros e outros que fazem negócios com a empresa - mostra como a Guarda Nacional de Quevedo está se infiltrando em todas as suas operações . Os documentos incluem registros de emprego, acordos com prestadores de serviço e memorandos de funcionários internos.

Quevedo nomeou mais de 100 assessores e assessores militares e de um cargo anterior como ministro do governo para altos cargos, segundo uma pessoa familiarizada com os registros de recursos humanos da PDVSA.

Em sua sede de concreto de Caracas, outrora repleta de executivos adequados, os oficiais militares agora são responsáveis pelas operações. Os trabalhadores dizem que os escritórios no santuário de cobertura de Quevedo continuam luxuosos. Mas nos corredores abaixo, a propaganda socialista, incluindo retratos de Fidel Castro e Ernesto "Che" Guevara, está entre a escassa decoração deixada nas paredes.

A mudança para a administração militar foi o resultado de uma purgação da liderança da PDVSA.

Alegações de corrupção têm prevalecido no governo venezuelano nos últimos anos; O próprio Maduro é alvo de sanções dos EUA por transgressões e violações de direitos humanos, o que ele nega.

Em 2017, o presidente nivelou suas próprias acusações contra a PDVSA, descrevendo-a como um covil de "ladrões". Ele acusou muitos ex-executivos de desviarem-se de contratos e lavagem de dinheiro e argumentou que o suborno deles agravou a crise do país.

Ele ordenou a prisão de dezenas de altos executivos, incluindo os dois presidentes anteriores da PDVSA, o químico Nelson Martinez e o engenheiro Eulogio Del Pino. Martinez morreu em um hospital militar no início deste mês, sofrendo um ataque cardíaco enquanto passava por diálise renal, disseram duas pessoas familiarizadas com as circunstâncias.

Del Pino permanece detido, aguardando julgamento. A Reuters não conseguiu falar com seus advogados para comentar. Uma pessoa familiarizada com a defesa de Del Pino disse que ele ainda tem, após um ano de prisão, uma audiência inicial.

LOALISTA
Na época do expurgo, Quevedo tinha se levantado das fileiras da Guarda Nacional para se tornar um proeminente defensor do governo.
O perfil de Quevedo no Twitter geralmente apresenta uma foto do general, um homem atarracado e careca, com as sobrancelhas pesadas, revisando a papelada com o presidente ou sorrindo alegremente ao lado dele. Sua alimentação consiste quase exclusivamente em retweets dos posts de Maduro.

Desde 2001, o general mudou entre posições militares e civis. Ele tem uma relação de longa data com Diosdado Cabello, o poderoso vice-presidente do Partido Socialista: os dois eram colegas de classe quando eram jovens na escola militar.

Esses laços levaram a altos cargos de Quevedo no Ministério da Defesa e a um programa criado por Chávez para moradias de baixa renda, de acordo com boletins oficiais do governo e pessoas que conhecem sua trajetória. Em 2014, de volta ao comando da Guarda Nacional, Quevedo liderou uma unidade que entrou em choque com os manifestantes durante os protestos que abalaram a Venezuela durante quatro meses. Pelo menos 43 pessoas, de ambos os lados, morreram durante as manifestações, desencadeadas pelo início da escassez de alimentos.

Quevedo foi criticado por muitos oponentes do governo por usar força excessiva, o que ele negou. Ele aparecia freqüentemente na televisão estatal na época, usando um capacete verde-oliva e um colete à prova de bala. "Esses são grupos terroristas", disse ele sobre os manifestantes, que acabaram se dissipando, levando-o a declarar que "o golpe foi derrotado".

Satisfeito com a performance de Quevedo, Maduro em 2015 nomeou-o ministro da Habitação. Em seus dois anos no cargo, ele novamente se tornou um elemento fixo na televisão estatal, muitas vezes vestindo a camisa vermelha do movimento socialista e elogiando as políticas "humanas" de habitação de Maduro.

Os líderes da oposição ridicularizaram o que consideraram as enormes vantagens de Quevedo, incluindo uma alegação infundada de que o governo construiu mais de 2 milhões de casas, apesar da escassez generalizada de materiais de construção básicos. O ministério da habitação não respondeu aos pedidos de comentário.

Em novembro de 2017, agentes da inteligência prenderam o ex-chefe da PDVSA, Del Pino, em um ataque à madrugada contra acusações não especificadas de corrupção. Até então, Quevedo era a escolha de Maduro para liderar a importante empresa. O anúncio provocou ceticismo generalizado na indústria.
Quevedo disse que precisaria de pouco tempo para lidar com as empresas de petróleo. "Dê-me 10 dias", ele disse a conhecidos, de acordo com uma pessoa que falou com ele na época.

Desde o início, Maduro deixou claro o desafio pela frente. Em um discurso público durante a "Powerhouse Venezuela 2018", uma conferência do governo destinada a mostrar o potencial dos negócios, o presidente ordenou que Quevedo aumentasse a produção de petróleo em 1 milhão de barris por dia - um aumento de 50% na época.

No último ano, porém, Quevedo não conseguiu reverter o slide.

Um de seus primeiros desafios, de acordo com as pessoas dentro da PDVSA, foi estancar o fluxo de trabalhadores, muitos dos quais abandonaram a empresa e

Venezuela completamente. A PDVSA não divulgou números recentes de emprego. Mas as estimativas da IPD Latin America, uma consultoria de petróleo e gás, indicam que a PDVSA tem cerca de 106.000 trabalhadores - 27% a menos que em 2016.

Por causa dos aumentos de custo de vida que agora chegam a 1 milhão por cento ao ano, segundo a Assembléia Nacional da Venezuela, os salários da PDVSA caíram para o equivalente a um punhado de dólares por mês para a maioria dos trabalhadores.

Sem dinheiro e pouco trabalho real para fazer em instalações ociosas e com defeito, alguns funcionários só aparecem para comer nas poucas cafeterias da empresa que permanecem abertas. Shippers disse à Reuters que os trabalhadores da PDVSA às vezes abordam as embarcações para pedir comida.

"MALÍCIA"
Para aumentar a mão de obra, Quevedo tem trabalhado em alguns empregos, incluindo cargos que antes exigiam conhecimento técnico, com recrutas da Guarda Nacional. O terminal de Jose, um porto caribenho no nordeste da Venezuela, é uma das poucas instalações remanescentes das quais a PDVSA exporta petróleo bruto.

As mudanças estão incomodando os compradores aqui. Alguns capitães de navios-tanque se queixam de que os jovens soldados estão tristemente despreparados para verificar detalhes técnicos, como se a densidade bruta, um atributo crucial de qualidade, está em conformidade com as especificações do contrato, de acordo com três carregadores e um funcionário da PDVSA.

As tripulações que se queixam de uma bala perdida dos fuzis dos soldados poderiam incendiar incêndios e reclamar que alguns dos crimes que afligem o país estão chegando a bordo. Apesar de Quevedo ter incumbido os soldados de ajudarem a localizar subornos, alguns dos recrutas de baixa renda também pedem subornos, disseram os exportadores, por assinarem documentos ou concluírem inspeções.

"Há muitos riscos", disse um dos capitães à Reuters.

O Ministério da Defesa da Venezuela, que supervisiona a Guarda Nacional, não respondeu aos telefonemas ou e-mails da Reuters solicitando comentários.
Mesmo com soldados como substitutos, a PDVSA não consegue encontrar os trabalhadores de que precisa para lidar com muitos cargos. Desde o processamento de petróleo nas refinarias até a negociação de contratos com compradores, a escassez de pessoal qualificado está prejudicando a empresa.

Em um relatório interno recente, a PDV Marina, unidade marítima da empresa, disse que a equipe estava em um "estado crítico" nos próprios petroleiros da PDVSA, forçando alguns trabalhadores a trabalhar muito mais do que o permitido pelas regras do sindicato. O "alarmante déficit do pessoal principal", diz o relatório, significa "não podemos honrar os acordos trabalhistas".

As tensões com os gerentes militares estão causando ainda mais desvios, dizem alguns trabalhadores.
Considere um incidente em junho, quando dois petroleiros atracaram em Jose. Um preparado para enfrentar petróleo bruto pesado, o outro, um óleo mais leve.
Enquanto os petroleiros carregavam, os funcionários do porto da PDVSA notaram uma confusão - os dois crudes se misturaram. O erro, segundo o governo, obrigou a PDVSA a pagar aos compradores, por causa de multas contratuais, US $ 2,7 milhões.
Também seria caro para nove funcionários da PDVSA.

Logo após o erro, soldados e agentes da inteligência prenderam os trabalhadores e os promotores os acusaram de sabotagem. "Isso foi premeditado", disse Tarek Saab, promotor-chefe de Maduro, anunciando as prisões na televisão. "As ações vão além da negligência - havia maldade aqui".

Depois de três dias em uma prisão militar superlotada, eles foram libertados, aguardando julgamento. Dois trabalhadores da indústria petrolífera, familiarizados com o seu caso, disseram que a má manutenção, e não a sabotagem, causou o acidente. Um sistema de válvulas defeituoso, frágil depois de anos sem manutenção, fez com que os combustíveis se misturassem, disseram eles.
Seis meses depois, o governo não apresentou provas contra os trabalhadores.

A Reuters não conseguiu chegar ao acusado nem determinar de forma independente a causa do acidente. Colegas disseram que os trabalhadores estão sob ordens para não falar publicamente do incidente.

As prisões sacudiram os funcionários da PDVSA, especialmente porque soldados e agentes de inteligência também prenderam trabalhadores em outras instalações após erros.

Em julho, quatro funcionários da PDVSA foram presos depois de petróleo ter sido derramado em um rio perto de um campo de petróleo no estado de Monagas, de acordo com relatos dos trabalhadores e da imprensa local. Um trabalhador em Monagas disse à Reuters que turbinas defeituosas causaram o derramamento e que a escassez de veículos impediu que os funcionários chegassem ao local para conter o fluxo.

"Não entendemos como a falta de recursos se torna uma desculpa para acusar os trabalhadores de negligência ou sabotagem", disse ele. "Eles estão sendo solicitados a trabalhar sem equipamentos de segurança, ferramentas, mesmo sem poderem se alimentar ou a suas famílias".

A Quevedo vem criando novas parcerias com o objetivo de fortalecer a PDVSA. Em agosto, por exemplo, o general disse que a empresa estava "abrindo suas portas" para sete empresas privadas para buscar "contratos de serviço" não especificados em todo o país.
A medida causou surpresa, porque contraria os esforços de longa data para nacionalizar toda a indústria. O próprio Chávez eliminou contratos semelhantes, argumentando que eles enriqueciam a iniciativa privada para o trabalho que o Estado deveria fazer por si mesmo.

De acordo com um documento visto pela Reuters, as empresas obtiveram acordos de seis anos para operar campos petrolíferos em nome da PDVSA em troca de impulsionar a produção, financiar investimentos e adquirir equipamentos.

Mas as empresas não estão familiarizadas com os veteranos da indústria petrolífera da Venezuela. Nenhum é reconhecido como tendo experiência em operar campos petrolíferos. Consorcio Rinoca Centauro Karina, um dos listados no documento, não parece ter um site. Reuters foi incapaz de alcançá-lo ou a qualquer um dos outros.

Críticos dos acordos e opositores do governo dizem que as transações não são transparentes. Ao manter os detalhes do público, argumentam eles, a empresa enfrenta pouco escrutínio sobre quem escolhe fazer negócios.

"A PDVSA está procurando manter sua confederação de máfias, sua cota de pilhagens", disse Jorge Millan, um parlamentar da oposição que em setembro liderou um movimento na Assembléia Nacional para denunciar os contratos.

Enquanto a militarização da PDVSA por Quevedo não reverteu o declínio da empresa, o governo mostra poucos sinais públicos de descontentamento. Em outubro, o governo anunciou um embaralhamento da diretoria da PDVSA. Entre as mudanças: José Rojas, outro general da Guarda Nacional, substituiu um diretor civil.

Executivos do passado brincam que Quevedo sabia o que estava fazendo quando orou pedindo ajuda.

"Ele está certo", disse Jose Toro Hardy, economista que atuou no conselho de diretores da PDVSA nos anos 90. "Um milagre é necessário para um aumento dessas condições."

(Reportagem adicional de Mayela Armas e Vivian Sequera em Caracas e Ernest Scheyder em Viena. Edição de Paulo Prada.)

Categorias: Atualização do governo, Atualização do governo, Energia Offshore, Legal, Tendências do petroleiro