Noruega empurra IMO para reduzir pela metade as emissões em 2050

Postado por Joseph Keefe5 abril 2018
Imagem de arquivo (CREDIT: AdobeStock / (c) 14KTGold)
Imagem de arquivo (CREDIT: AdobeStock / (c) 14KTGold)

A frota mundial deve estabelecer uma meta de reduzir pela metade as emissões de gases do efeito estufa até 2050, disseram na quinta-feira o governo norueguês e a associação de armadores, antes das negociações da Organização Marítima Internacional (OMI) em Londres na semana que vem.
A frota da Noruega vale cerca de US $ 45 bilhões, a quinta mais valiosa do mundo, atrás do Japão, Grécia, China e Estados Unidos. O transporte da Noruega inclui offshore, gás, produtos químicos, embarcações de automóveis, granéis sólidos, petróleo bruto, produtos brutos e contêineres.
A IMO, que diz que o transporte internacional representa cerca de 2,2% das emissões mundiais de dióxido de carbono, se reunirá de 9 a 13 de abril para desenvolver uma estratégia para combater as mudanças climáticas. O transporte marítimo não foi incluído no acordo climático de Paris de 2015.
"As emissões devem ser reduzidas em 50% em relação a 2050 em comparação com 2008", disse Harald Solberg, chefe da Associação Norueguesa de Armadores, em entrevista coletiva ao lado do ministro do Comércio, Torbjoern Rooe Isaksen.
"No mesmo período, a demanda aumentará em cerca de 60%, portanto, em termos absolutos, é mais da metade", disse Solberg.
"Precisamos de regras internacionais ... nossa linha de base é a mesma dos donos de navios noruegueses (para reduzir as emissões em 50% em direção a 2050)", disse Isaksen à Reuters.
"Esperamos que a OMI chegue a um acordo sobre essas metas ambiciosas de emissão. Essa é a única solução, se não tememos soluções regionais, e isso não funcionará", disse Solberg.
Ele disse que a visão da associação é que o transporte deve ser livre de emissões em 2100.
A IMO diz que seu Comitê de Proteção ao Meio Ambiente Marinho deve "adotar uma estratégia inicial sobre a redução das emissões de gases de efeito estufa dos navios" na reunião em Londres.

O Acordo de Paris estabelece uma meta de eliminar gradualmente as emissões líquidas de gases do efeito estufa na segunda metade do século, principalmente ao passar de combustíveis fósseis para energias mais limpas, como a solar e a eólica.

Reportagem de Ole Petter Skonnord

Categorias: Atualização do governo, Combustíveis e Lubrificantes, De Meio Ambiente, Energia, Finança, Legal, Notícia, Poder marinho, Propulsão Marinha