Porto de Antuérpia testa barco sonoro autônomo

Shailaja A. Lakshmi10 agosto 2018
Foto: Porto de Antuérpia
Foto: Porto de Antuérpia

O porto de Antuérpia alcançou um novo marco com a introdução de um barco de som totalmente automático que emprega tecnologia exclusiva. O navio, chamado Echodrone, é um protótipo que está sendo desenvolvido para suplementar o outro barco de sonda operacional, o Echo.

Ambas realizam medições da profundidade da água em todo o porto, de modo a garantir uma passagem segura para o transporte. A tecnologia baseada em nuvem - a primeira - foi desenvolvida em parceria entre a Autoridade Portuária e a dotOcean e é apenas uma das muitas iniciativas que estão sendo tomadas pela Autoridade Portuária no campo da inovação digital.

A inovação é uma resposta poderosa ao mundo de hoje em rápida mudança e, portanto, é um componente principal da visão futura da Autoridade Portuária de Antuérpia. Em colaboração com a comunidade portuária, a Autoridade Portuária está constantemente trabalhando para desenvolver novas tecnologias e métodos e incorporá-los em suas operações.

"Como um player de classe mundial, nós, como porta, pretendemos ser líderes no desenvolvimento de conceitos inovadores", explicou Piet Opstaele, Gerente de Capacitação em Inovação da Autoridade Portuária de Antuérpia. "Desta forma, estamos lançando as bases para o 'porto inteligente' do futuro, no qual as tecnologias digitais são usadas para tornar as operações terrestres e aquáticas mais flexíveis, ágeis e eficientes".

Uma das responsabilidades da Autoridade Portuária é a inspeção e manutenção da infraestrutura marítima, incluindo os leitos das docas. Medições regulares das profundidades da água nos berços e em todos os outros pontos são realizadas, tanto para garantir a segurança da passagem e ancoragem dos navios como para planejar o trabalho de dragagem de manutenção necessário.

Até agora isso foi feito usando o barco de som Echo, mas agora um barco irmão autônomo inovador foi desenvolvido em colaboração com dotOcean, a fim de ajudar com o trabalho. O novo navio, chamado Echodrone, é menor que o Echo e é totalmente autônomo, operando sozinho sem ninguém a bordo. Isso faz com que seja mais ágil e flexível, para que possa operar em tráfego pesado, onde o Echo não poderia ir.

Wim Defevere, gerente técnico sênior de acesso náutico da Autoridade Portuária de Antuérpia, disse: “O Echodrone está atualmente passando por extensos testes. Uma vez que estes tenham sido concluídos, serão baseados na doca Deurganck, onde estará totalmente operacional ao lado do Echo para medir a profundidade da água dos berços disponíveis no cais mais movimentado dos contêineres ”.

A tecnologia exclusiva para orientar e operar o Echodrone foi desenvolvida em colaboração com a dotOcean, uma empresa de tecnologia marítima sediada em Brugge, na Bélgica. "Esta tecnologia é baseada na montagem de informações detalhadas na nuvem", explicou o co-fundador da dotOcean, Koen Geirnaert. "Os dados de todos os tipos de dispositivos em toda a porta são disponibilizados pela Internet e depois seletivamente compilados e traduzidos em informações úteis por algoritmos na nuvem. O Echodrone é projetado para navegar de forma totalmente independente usando esses dados verificados, ao contrário da geração anterior de navios que tinham que confiar em seus próprios sensores de bordo. Isso faz com que o Echodrone seja um dos primeiros de uma geração completamente nova de robôs ".

Opstaele acrescentou: "Com a ajuda do Echodrone, será possível no futuro realizar outros tipos de medições, como levantamentos ambientais, inspeção de muros de cais e assim por diante. Essa tecnologia é um verdadeiro avanço para nós em nossa busca por soluções inteligentes". para o porto do futuro.É também um bom exemplo do nosso papel como iniciador e facilitador de iniciativas inovadoras ".


Categorias: Construção naval, Embarcações de trabalho, Pilot Boats, Pilot Boats, Tecnologia