Autoridades holandesas exigem custos de limpeza da linha MSC

Anthony Deutsch4 janeiro 2019

As autoridades holandesas responsabilizarão a linha de navegação suíça MSC pelo custo de limpar detritos de mais de 270 contêineres de carga que caíram de um de seus navios e foram levados para terra, disseram autoridades na sexta-feira.

A guarda costeira holandesa disse que uma investigação criminal foi lançada pelos promotores sobre o incidente, um dos maiores do tipo na costa da Holanda.

Os contêineres, alguns contendo produtos químicos perigosos, caíram de um dos maiores navios porta-contêineres do mundo, o MSC Zoe, durante uma tempestade no Mar do Norte na quarta-feira em águas alemãs perto da ilha de Borkum.

Cerca de 35 contêineres foram localizados e o restante foi perdido no mar, disse a ministra da Administração da Água, Cora van Nieuwenhuizen, em uma carta ao parlamento. "Os responsáveis (MSC) serão responsabilizados", escreveu ela.

Entre os bens perdidos estavam peças de automóveis, geladeiras, brinquedos e móveis, escreveu ela. "Vários contêineres de materiais perigosos estavam a bordo. Não está claro quantos caíram", disse.

Pelo menos uma carga de contêiner de peróxido orgânico, um agente forte de branqueamento que pode causar ferimentos em contato com a pele, foi perdida, diz a carta. Os moradores foram orientados a não tocar nos sacos de 25 kg encontrados na costa.

Os promotores disseram em um comunicado enviado à Reuters que uma investigação conjunta com a Polícia Marítima se concentraria em "se o dano causado é o resultado de atos criminosos", possivelmente em violação das leis antipoluição para embarcações marítimas.

"Vai considerar se podemos segurar alguém - e, em caso afirmativo, quem - responsável pela poluição", disse.

Tineke Schokker, a prefeita de Vlieland, uma das Ilhas Wadden, disse que ela e outros quatro prefeitos enviaram cartas à MSC exigindo que os custos sejam cobertos. Os detritos continuaram a lavar na sexta-feira, disse ela, representando uma ameaça à flora e à fauna.

"Eles precisam remover isso o mais rápido possível, porque quanto mais tempo estiver aqui, mais dano haverá", disse ela à Reuters. "Decidimos repassar coletivamente os custos para a companhia de navegação".

Não ficou claro se haveria danos ambientais duradouros na área, uma vasta extensão de planícies de maré e terras húmidas conhecidas pela sua rica diversidade biológica.

Cerca de 100 soldados se juntaram à operação de limpeza. Autoridades locais e voluntários já recolheram toneladas de resíduos de vários quilômetros de costa.

Um comunicado do MSC na sexta-feira disse que estava "assumindo diretamente mais a limpeza" e trabalhando com empresas de salvamento.

Um porta-voz do MSC não fez comentários imediatos sobre as cartas enviadas pelos prefeitos da ilha, mas o comunicado disse que havia embarcado barcos para localizar e rebocar contêineres à deriva, além de embarcações de rastreamento de sonar para recuperação subaquática.

"A MSC não está dando um relato detalhado da carga a bordo para o público em geral neste momento", afirmou, acrescentando que "deve-se ter cautela, em particular, para quaisquer recipientes ou tambores rotulados como tendo conteúdo perigoso".


(Reportagem adicional de Jonathan Saul, edição de David Goodman e Edmund Blair)

Categorias: Acidentes, Acidentes, De Meio Ambiente, Embarcações de contentores, guarda Costeira, Legal, No mar, Salvamento