Encolhimento do gelo do Mar Ártico gera preocupações de segurança

Laxman Pai26 novembro 2018
O navio da Guarda Costeira canadense, Louis S. St-Laurent, faz uma aproximação à Guarda Costeira Cutter Healy no Oceano Ártico, em 5 de setembro. Os dois navios participam de uma pesquisa multi-agências ártica que ajudará a definir a plataforma continental norte-americana. (Foto do suboficial de terceira classe Patrick Kelley)
O navio da Guarda Costeira canadense, Louis S. St-Laurent, faz uma aproximação à Guarda Costeira Cutter Healy no Oceano Ártico, em 5 de setembro. Os dois navios participam de uma pesquisa multi-agências ártica que ajudará a definir a plataforma continental norte-americana. (Foto do suboficial de terceira classe Patrick Kelley)

O encolhimento da cobertura de gelo está tornando o Ártico mais acessível a vários países, entidades comerciais e pesquisadores, entre outros.

"Enquanto o gelo marinho do Ártico continua encolhendo, a atividade humana na região está apenas crescendo. A extensão do gelo, que é monitorada pelo Centro Nacional de Gelo dos EUA (USNIC), muitas vezes determina quais tipos de atividades são perseguidas na região", diz NOAA National. Serviço de Satélite, Dados e Informação Ambiental (NESDIS).

Este aumento da atividade humana no Ártico também levou a mais preocupações com a segurança nacional do ponto de vista tradicional e não tradicional. Para os EUA, a segurança nacional no Ártico é mais do que apenas proteger a nação de ameaças potenciais à fronteira norte.

Em vez disso, a nação está começando a olhar para a segurança do Ártico mais amplamente. À medida que as mudanças continuam na região, os EUA estão considerando a segurança nacional de uma perspectiva ambiental, econômica e de desenvolvimento de recursos.

O Centro Nacional de Gelo dos EUA, que faz parte do Serviço Nacional de Satélites, Dados e Informação Ambiental (NESDIS), usa dados de satélite da NOAA, NASA e outras agências nacionais e internacionais para monitorar a extensão do gelo marinho através do Ártico.

Kevin Berberich, vice-diretor da USNIC, explicou que os analistas de gelo usam uma combinação de imagens de satélite visível e infravermelho e radar de abertura sintética baseado no espaço, entre outros conjuntos de dados, para determinar a extensão do gelo.

Berberich e Shannon Jenkins, conselheiro sênior de política do Ártico da Guarda Costeira dos EUA, ambos apontaram que só porque o gelo está recuando, isso não significa que ainda não há gelo lá fora.

Em resposta às crescentes oportunidades e riscos na região, várias entidades federais estão atualizando ou desenvolvendo novas estratégias para o Ártico. Por exemplo, o Departamento de Segurança Interna dos EUA (DHS) começou a desenvolver sua própria estratégia para a região para abordar o ambiente de segurança e soberania em evolução.

Com esta crescente presença no Ártico, há também uma ameaça maior de poluição, derramamento de óleo e pesca ilegal, não declarada e não regulamentada, entre outras coisas.

Categorias: Atualização do governo, Atualização do governo, Operações do Ártico, Segurança marítima