OMI sob pressão para combater as emissões de CO2

Postado por Joseph Keefe9 abril 2018
Imagem de arquivo (CREDIT: AdobeStock / © 14KT Gold)
Imagem de arquivo (CREDIT: AdobeStock / © 14KT Gold)

A agência de navegação das Nações Unidas está sob pressão nesta semana para chegar a um plano para reduzir as emissões de carbono do setor, após anos de progresso lento, mas a estratégia pode ficar aquém do que é necessário para limitar o aquecimento global.
O setor de transporte marítimo, juntamente com a aviação, evitou metas específicas de redução de emissões em um pacto climático global acordado no final de 2015, que visa limitar o aumento médio global da temperatura a "bem abaixo" de 2 graus Celsius a partir de 2020.
O transporte responde por 2,2% das emissões mundiais de CO2, segundo a Organização Marítima Internacional (IMO), a agência da ONU responsável por regular a poluição dos navios.
Isto é em torno da quantidade emitida pela Alemanha, de acordo com os últimos dados da UE disponíveis, e prevê-se que cresça significativamente se não for controlada.
A Comissão Européia estima que o transporte aéreo e marítimo poderia contribuir com até um terço de todas as emissões até 2050.
A OMI está reunida em Londres esta semana para desenvolver uma estratégia inicial para reduzir as emissões. Um plano final não é esperado até 2023.
A estratégia deve incluir uma meta global de redução de emissões para o setor, que esteja alinhada com os limites de temperatura acordados sob o acordo climático global e uma lista de medidas de curto, médio e longo prazo para garantir que essa meta seja atingida.
Um porta-voz da Comissão Européia disse que os países da UE, juntamente com as Ilhas Marshall, apoiam a meta de reduzir as emissões de 70 a 100 por cento até 2050, em comparação com os níveis de 2008.
A Noruega propôs um corte de 50% até 2050, enquanto outra proposta apoiada pelo Japão - que também está presidindo as negociações desta semana - e outros países objetivam um corte de 50% até 2060.
Essas metas não seriam suficientemente ambiciosas para manter a elevação da temperatura global "bem abaixo" dos 2 graus C, argumentam alguns grupos e países ambientalistas.
Países como o Brasil, a Arábia Saudita e o Panamá também se opõem à proposta da UE de aumentar a meta, disseram fontes.
Um relatório do think tank de transportes da OCDE, International Transport Forum, na semana passada, disse que o setor marítimo pode ser totalmente carbonizado em 2035.
A proposta de redução de 70% a 100% de alguns países europeus não deverá ter amplo apoio, disse o presidente da Câmara Internacional de Navegação (ICS), que representa mais de 80% da frota mercante mundial.
"Embora o ICS não concorde totalmente com eles em todos os aspectos, propostas alternativas feitas pela China e pelo Japão merecem ser consideradas e podem formar a base de um possível compromisso", disse o presidente do ICS, Esben Poulsson.
As Ilhas Marshall, o segundo maior registro de bandeiras do mundo, são um dos países mais vulneráveis ​​às mudanças climáticas. O ministro do Meio Ambiente, David Paul, disse na segunda-feira que "simplesmente não há razão para hesitar".
A IMO adotou regras obrigatórias para novas embarcações para aumentar a eficiência do combustível como meio de reduzir o CO2 dos motores dos navios.
Tem havido discussões há anos sobre cortes mais amplos de CO2, mas o progresso tem sido lento, levando a pedidos de possíveis medidas unilaterais a serem tomadas em nível regional ou nacional.
O secretário-geral da IMO, Kitack Lim, disse na semana passada que "adiar a adoção da estratégia inicial, para uma sessão futura ..., não deve ser uma opção".
Os membros da IMO estabeleceram um prazo para adotar a estratégia inicial na reunião desta semana, mas eles ainda poderiam adiá-la para uma reunião posterior se nenhuma decisão for tomada.
"Esta semana é realmente crucial para a credibilidade da IMO", disse o membro do Parlamento Europeu Bas Eickhout.

"Se esta semana eles falharem novamente, os países terão que tomar suas próprias ações", acrescentou.

Por Jonathan Saul e Nina Chestney

Categorias: Atualização do governo, Combustíveis e Lubrificantes, De Meio Ambiente, Energia, Legal, Notícia, Poder marinho, Propulsão Marinha